"Todas as opiniões aqui expressas são da inteira responsabilidade do autor de cada postagem, não coincidindo, necessariamente, com as posições do órgão público cujos quadros o autor integra nem de qualquer órgão do governo brasileiro".

Vale a pena estudar por resumos?

Vale a pena estudar por resumos?Olá pessoal, estou de volta para deixar minha opinião a respeito de um dos temais mais questionados pelos concurseiros e estudantes em geral: Vale a pena estudar por resumos?

Antes de discorrer sobre o assunto, gostaria de enfatizar: Vale sim, vale muito a pena!

Mesmo que o resumo tenha sido feito por outras pessoas?

Enfatizo, novamente: Sim, vale muito a pena!

Mas, por qual razão?

Gostaria de explicar, inicialmente, que minha opinião sobre os resumos não diz respeito a assuntos em que você vai trabalhar, de forma especializada. Por exemplo, se um advogado pretende atuar na área trabalhista, logicamente, ele tem de conhecer, ao máximo, todos os detalhes sobre o assunto.

Quando enfatizo minha simpatia pelos resumos, estou falando para pessoas que pretendem realizar um exame, um concurso público, um vestibular, ou seja, que precisam enfrentar uma prova interdisciplinar.

Mas, por qual motivo prefiro resumos, mesmo feito por outras pessoas, ao invés de estudar por grandes livros, de autores renomados?



Simples, por causa do funcionamento da nossa mente.

Nossa mente tem uma característica básica: Ela, simplesmente, não memoriza aquilo que não aprendeu com emoção ou aquilo que não exercitamos, com certa frequência.

Para exemplificar melhor, observemos o seguinte. Muitos de nós conseguimos nos lembrar o que fazíamos no dia da morte do inesquecível Ayrton Senna, ou quando dos ataques de 11 de setembro de 2001, porém, não lembramos nada sobre o dia anterior ou dia seguinte desses eventos marcantes.

Os exemplos acima demonstram bem como memorizamos algo quando o mesmo vem carregado de forte emoção. Mas, como é possível memorizar aquilo que estudamos?

Inserir "emoção" durante os estudos é uma tarefa muito difícil, por isso, apesar de existirem outras técnicas, prefiro a técnica da repetição, ou seja, da revisão.

Mas, ainda fica a dúvida, por quê usar resumos ao invés da doutrina especializa ou grandes textos sobre o assunto?

Simples, para quem vai encarar um concurso público, vestibular, exame da OAB, etc, fica, praticamente, impossível ler todos os assuntos com profundidade e repetir a leitura de todos, portanto, mesmo que consiga ler uma doutrina, de 800 páginas, compreendendo tudo, se não voltar no assunto, por meio das revisões, você, simplesmente, esquecerá de boa parte do conteúdo.



Claro, durante a leitura, você pode elaborar mapas mentais, grifar, fazer seu próprio resumo, etc. Caso você consiga produzir esse material e revisá-lo, com espaçamentos periódicos, várias vezes, você fixará o conteúdo.

O problema é que a maioria das pessoas (me incluo) não tem facilidade em fazer mapas mentais, grifar, somente o essencial, etc. Por isso, ao tentar aplicar essas técnicas, poderemos perder mais tempo do que poderíamos para garantir o sucesso na prova.

Por isso, fico, a cada dia, mais "fã" dos resumos, mesmo adquirido de terceiros (confiáveis), pois consigo ler muito mais conteúdo, em um curto espaço de tempo, além de revisá-los, periodicamente, o que não conseguiria com um livro de 800 páginas. Isso fica ainda mais evidente para quem trabalha e estuda (meu caso), tem filhos, etc.

Ainda voltarei ao assunto em outras postagens! Até a próxima!


"Todas as opiniões aqui expressas são da inteira responsabilidade do autor de cada postagem, não coincidindo, necessariamente, com as posições do órgão público cujos quadros o autor integra nem de qualquer órgão do governo brasileiro".

Postagens mais visitadas deste blog

Anki para Concursos e Faculdade?

Como prefiro estudar livros muito longos?

Efeito Dunning-Kruger nos Concursos e na Pandemia do novo Coronavírus